Turismo de Portugal e Beta-i unem-se para apoiar a retoma do sector

A Beta-i e o Turismo de Portugal colaboraram no desenvolvimento de um estudo que identifica os desafios concretos e prioritários para o sector do turismo, e de programas de inovação que juntam start-ups e empresas turísticas para criarem soluções que apoiem a retoma durante a crise.

De acordo com o estudo realizado no âmbito do programa Tourism Now!, pelo NEST – Centro de Inovação do Turismo de Portugal e pela consultora portuguesa, apesar da digitalização ser uma realidade no sector, players do mercado consideram que, face aos desafios da pandemia, as suas equipas não estão suficientemente capacitadas para criar e gerir novas soluções no digital.

O estudo baseia-se num questionário realizado a operadores das várias áreas do turismo, incluindo a hospitalidade, animação turística, transportes e agências. A conclusão é “que é urgente investir, não só na segurança sanitária, como no upskilling do sector e em formar os colaboradores com competências em ferramentas mais modernas e em novas tecnologias.

“Esta primeira análise mostra-nos que há uma preocupação clara do sector em implementar mudanças e fazer investimentos num momento em que a procura recuou de forma abrupta”, esclarece Roberto Antunes, director executivo do NEST, que considera que “além de sermos um país orientado para o turismo, Portugal é também um país resiliente, inovador e sagaz na hora de criar oportunidades para se manter competitivo”.

Para o responsável o foco “consiste em preparar o futuro e criar soluções que garantam a recuperação do turismo em Portugal”. Assim, com base no estudo e de forma a estimular o empreendedorismo e a inovação, as entidades desenvolvera um mapa de desafios concretos e prioritários para desafiar start-ups a criarem soluções em colaboração com as empresas do sector do turismo.

Numa fase de mitigação da crise, entre os desafios destaca-se a necessidade de dotar o sector de uma interacção ‘low touch’ em todos os pontos da jornada, de criar uma certificação online de procedimentos de higienização com certificado reconhecido e estandardizado, e como criar soluções móveis de presença de risco por geolocalização sem centralização de dados.

Já na fase de retoma colocam-se os desafios de como passar todos os processos de atendimento pessoal para um atendimento mediado por tecnologia, como garantir informação em tempo real sobre a densidade de pessoas nos produtos turísticos, como criar jornadas detalhadas do turista com explicitação dos momentos com o sem contacto humano, como manter a humanização numa experiência cada vez mais mediada por tecnologia, e como optimizar fluxos de turistas de forma a aumentar a rentabilidade dos espaços.

Neste momento, estão a ser recebidas pelo NEST, numa parceria com a Startup Lisboa, propostas de soluções provenientes de start-ups early stage. “Através dos programas de inovação queremos mobilizar start-ups a colaborarem com os vários playears e auxiliar a retoma urgente do sector” turístico, assevera Manuel Tânger, co-founder e Head of Innovation da Beta-i.

O responsável explica que a partir do estudo realizado, “percebemos que o posicionamento de Portugal pode vir a ser reforçado, se a indústria do turismo reagir rapidamente às transformações exigidas pelo novo normal e colaborar com inovadores e empreendedores na criação de novas soluções”. Através de várias iniciativas, a parceria entre a Beta-i e o TP já apoiou a criação de quase 20 pilotos para o sector nos últimos anos.