Turismo mundial perdeu quase 273 mil milhões de euros até Maio

Nos primeiros cinco meses deste ano, o turismo mundial terá registado perdas de receitas da ordem dos 272,8 mil milhões de euros face ao mesmo período do ano passado, aponta a Organização Mundial do Turismo no seu Barómetro.

“É mais do que o triplo das perdas registadas ao nível de receitas do turismo internacional durante a crise económica mundial de 2009”, sublinha a OMT, considerando que “o enorme impacto da COVID-19 no turismo internacional ficou agora claro”.

De acordo com os dados divulgados pela OMT, de Janeiro a Maio o número de turistas internacionais caiu 56% em relação ao mesmo período de 2019, o que representa 300 milhões de visitantes a menos.

O Barómetro também mostra uma queda de 56% nas chegadas de turistas entre Janeiro e Maio, o que se traduz numa queda de 300 milhões de turistas e 320 mil milhões de dólares perdidos nas receitas internacionais de turismo – mais de três vezes a perda durante a Crise Económica Global de 2009.

São números que levam a que “o índice de confiança estabelecido pela OMT” esteja neste momento “em mínimos históricos“, mesmo que se comece a notar já alguma “lenta recuperação” do sector, principalmente no hemisfério norte.

Sublinhando que esta “queda dramática no turismo” a que estamos a assistir em todo o mundo, “coloca milhões de meios de subsistência em risco”, alerta a OMT que coloca “o ressurgimento do vírus e o risco de novos confinamentos”, além da situação na China e nos Estados Unidos, entre os principais riscos para o sector.

“Esses dados mais recentes deixam clara a importância de reiniciar o turismo assim que for seguro fazê-lo. A dramática queda do turismo internacional coloca muitos milhões de meios de subsistência em risco, inclusive nos países em desenvolvimento”, afirma o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili”.

O responsável máximo da Organização Mundial do Turismo considera que, perante este cenário, “os governos de todas as regiões do mundo têm uma dupla responsabilidade: priorizar a saúde pública e também proteger empregos e empresas”. Por outro lado, continua o responsável, os governos “precisam manter o espírito de cooperação e solidariedade que definiu nossa resposta a esse desafio compartilhado e abster-se de tomar decisões unilaterais que podem minar a confiança e a confiança que estamos trabalhando tão duro para construir”.

Recorde-se que, no início do passado mês de Maio, a OMT previa uma queda de 60 a 80% no número de turistas internacionais no ano de 2020, com perdas que poderiam ascender a um total entre 910 mil milhões e 1,2 bilião de dólares, colocando em “perigo entre 100 e 120 milhões de empregos directos”.