Universidade de Aveiro: Estudo defende apoio ao turismo social

Um estudo da Universidade de Aveiro defende a necessidade das empresas ligadas ao turismo ajudarem a financiar programas de turismo social.

Face aos resultados, que apontam que quase 30% das famílias da região Centro não fizeram turismo nos últimos quatro anos por questões económicas, o trabalho apela à responsabilidade social das empresas.

“A prática de actividades turísticas, apesar de considerado um direito básico de qualquer ser humano, na actualidade ainda não é uma prática acessível a todos os elementos da sociedade”, aponta Joana Lima, autora da tese do doutoramento em Turismo, que entrevistou 1165 famílias com filhos menores de idade dos concelhos de Aveiro, Covilhã, Fundão e Ílhavo.

Os resultados obtidos junto destas famílias revelam que “existe uma percentagem significativa [29%] de famílias com filhos dependentes que não realizaram viagens turísticas nos últimos quatro anos”. Os motivos apontados pelas famílias, descreve a autora que foi orientada pelas investigadoras Celeste Eusébio e Celeste Amorim Varum, estão directamente ligados aos “constrangimentos financeiros” que colocam entraves na aquisição de produtos turísticos.

Mas para que as famílias economicamente carenciadas possam ter acesso ao turismo, “é fundamental apostar em iniciativas, como por exemplo, programas de turismo social, que diminuam as barreiras existentes a essa prática”.