Viagens corporativas devem ficar mais caras no próximo ano

A GBTA e a CWT estimam que as viagens de negócios vão ficar mais caras em 2019 devido à subida de preços de 3,7% do sector hoteleiro e 2,6% do aéreo, bem como do petróleo.

O estudo anual sobre Previsão Global para o Sector das Viagens publicado pela Associação Mundial das Viagens de Negócios (GBTA) e pela CWT, empresa global de gestão de viagens, mostra também as tendências e avanços que darão forma às viagens de negócios num futuro mais imediato. Este relatório fornece aos compradores de viagens uma melhor compreensão do mercado global e factores-chave que afectam os preços, e mostra que a chave para a criação de um bom programa de viagens de negócios reside em observar e reagir à paisagem global em mudança.

“Os preços deverão aumentar em diferentes mercados em todo o mundo, mesmo que a inflação permaneça moderada”, explicou Kurt Ekert, presidente e CEO da Carlson Wagonlit Travel. “O relatório explora as causas desses aumentos e fornece uma descrição geral do que esperamos ver nos principais mercados do mundo. Além disso, inclui várias recomendações específicas que os gestores de viagens podem usar nas suas próximas negociações “, acrescentou.

O sector da aviação será afectado pela introdução de voos de longo curso e a crescente concorrência de transportadoras de baixo custo, que não só multiplicam mas também lutam por rotas de longo curso, bem como pelo interesse de as companhias aéreas aproveitarem a NDC da IATA. No entanto, a provável subida faz tarifas aéreas será motivada pelo encarecimento do preço do petróleo, a pressão competitiva derivada da escassez de pilotos, as potenciais guerras comerciais e o aumento da segmentação de tarifas para melhorar o rendimento.

Na Europa, de acordo com o estudo, a provável subida do preço do transporte aéreo deverá concentrar-se na região Ocidental (4,8%), com incrementos mais prenunciados em França, Alemanha e Noruega, enquanto poderão verificar-se descidas na Europa de Leste em 2,3%.

As perspectivas da hotelaria em 2019 são impulsionadas pelo aumento geral do transporte aéreo, que alimentará a procura pelo alojamento. A tecnologia também terá um papel importante, já que os hotéis estão a introduzir avanços destinados a personalizar a experiência do hóspede. Por outro lado, o uso generalizado de comunicações móveis está a obrigar os gestores de viagens a oferecer aos seus viajantes aplicações que permitam maior autonomia na política de reservas.

As fusões e a crescente concorrência entre o luxo e o alojamento de gama média, devido ao maior interesse dos jovens viajantes por hotéis boutique, também estarão muito presentes na agenda do sector.

Após a subida dos preços do sector aéreo, prevê-se que as taxas de hotel aumentem na Europa Ocidental em 5,6%, enquanto está prevista quebra na Europa de Leste (1,9%). Novamente, a Noruega lidera a lista com um aumento de 11,8%, seguida pela Espanha, com os 8,5%, a Finlândia, com 7,1%, e a França e a Alemanha, com 6,8%.