Vila Galé com previsão cautelosa quanto a grandes crescimentos em 2016

Apesar de nesta altura as reservas para o Verão estarem acima do verificado o ano passado, a Vila Galé não espera evoluções significativas para 2016, com Gonçalo Rebelo de Almeida a avançar, durante o almoço com a imprensa realizado esta quarta-feira no Vila Galé Collection Palácio dos Arcos, que espera um ano “ao nível de 2015”.

“Pelas informações de que dispomos, 2016 aparenta vir a ser um ano ao nível de 2015, não acontecendo nada de extraordinário que prejudique a actividade”, avançou Gonçalo Rebelo de Almeida, explicando ainda que “não se pode esperar um crescimento tão acentuado como no ano passado porque a nossa oferta também não tem margem para proporcionar grandes crescimentos”. Isto porque, acrescentou, “nas épocas mais procuradas, de Abril a Outubro, estamos já com taxas de ocupação que são muito elevadas”. O que pode crescer, em termos de ocupação, são as épocas baixas, de Novembro a Março. Neste caso, disse, “nota-se uma procura crescente, em especial nas cidades, mas por enquanto o aumento desse tipo de procura ainda é muito pequeno”.

O que o administrador da Vila Galé sublinhou foi “uma retoma do crescimento ao nível do preço médio” que se tinha perdido nos anos da crise e que voltou a verificar-se “nestes dois últimos anos, em especial no de 2015”.

Quanto ao futuro Gonçalo Rebelo de Almeida não avança grandes prognósticos até porque “o passado indica-nos que o turismo se move por ciclos de seis ou oito anos e nós estamos num período de pico, por isso é imprevisível o que pode acontecer a parir de 2017”.