Vítor Neto propõe reflexão sobre o Algarve

O presidente da NERA e ex-secretário de Estado do Turismo, Vítor Neto, apela “à responsabilidade e bom senso, evitando euforias, pois nada disto caiu do céu e nada disto está seguro”, referindo aos bons resultados do turismo em Portugal, e consequentemente, no Algarve, factor que, considera é, “em grande parte, resultado do esforço dos empresários”. Por isso, propõe uma reflexão regional “séria e participada por todas as forças vivas da região”.

Vítor Neto sublinha, em nota enviada às redacções, que “os resultados globalmente positivos na economia da região não são homogéneos. Variam de sector para sector e até de zona para zona”, por isso, para garantir a sua continuidade “vai ser preciso manter o esforço, muito trabalho e inteligência”.

“Além da melhoria real da nossa oferta e imagem, beneficiamos das crises de destinos concorrentes. Mas seria um grave erro pensar que essa situação se vai manter. Com ritmos diferentes, todos irão tentar recuperar. E têm atrás de si poderosos interesses a apoiá-los. Se queremos cativar e consolidar novos clientes, temos de os conhecer, perceber e convencer. É preciso localizar as origens dos crescimentos (países e mercados, segmentos) e as suas causas e motivações (produtos, transporte, preços). Análise que, além do turismo, interessa também a outros sectores”, considera o dirigente, indicando que este ano, as receitas externas do turismo poderão aumentar cerca de mil milhões de euros, ultrapassando, no final do ano, os 12,5 mil milhões de euros.

De acordo com Vítor Neto, esta reflexão regional “exige seriedade, partindo de números oficiais assentes em bases e amostras estatísticas transparentes e validadas”, para acrescentar que “não bastam as análises nacionais que esquecem, por razões políticas, a especificidade do Algarve e diluem o seu peso no quadro nacional”, recomendando que “só assim podemos seguir em frente, de forma segura”.