Vítor Silva: Brasil é segundo mercado internacional para o Alentejo

A afirmação foi proferida pelo presidente da Agência Regional de Promoção Turística do Alentejo durante a entrega do Prémio de Comunicação Internacional do Alentejo 2017 a uma revista brasileira, na ABAV Expo que decorreu na semana passada em São Paulo.

Na cerimónia, que contou com a presença do Cônsul Geral de Portugal em São Paulo, Embaixador Paulo Nascimento, e do coordenador da delegação do Turismo de Portugal no Brasil, Bernardo Barreiros Cardoso, o presidente da ARPT do Alentejo, Vítor Silva, começou por destacar que “a imprensa, para nós em Portugal, e particularmente para o Alentejo, tem uma importância muito grande” que se explica pelo facto de a região ter “um budget muito limitado para fazer promoção”. Daí que a estratégia do Alentejo assente em “convidar jornalistas a visitar o território e escreverem o que quiserem”.

O apoio das delegações do Turismo de Portugal no estrangeiro “como acontece aqui no Brasil” e “muito em particular da TAP” permitiu que em 2017 a região recebesse “mais de 300 jornalistas estrangeiros”, tendo sido “produzidas cerca de 1.200 notícias na imprensa internacional sobre o Alentejo”. Entre todos os artigos, o Prémio de Comunicação Internacional 2017 coube a uma reportagem da revista brasileira “Viajar pelo Mundo”.

Vítor Silva destacou ainda que “neste momento o Brasil é o nosso segundo mercado internacional”, tendo sublinhado que “há mais brasileiros a visitar e a dormir no Alentejo do que ingleses, alemães ou franceses, que são mercados mais próximos”. Reconheceu por isso que “sem a imprensa brasileira, não chegávamos lá”.

Em declarações ao Turisver.com, a autora do artigo premiado, Thelma Lavagnoli, afirmou que não há uma coisa em particular que possa destacar no Alentejo mas sim “um conjunto de coisas, a combinação das paisagens, a boa comida, a forma como as pessoas nos recebem fazendo com que nos sintamos verdadeiramente em casa, a incrível arquitectura de cidades como Évora ou Monsaraz”. Por isso afirma: “contar a história de lugares com que você se encanta é muito mais fácil”.